Páginas

segunda-feira, 2 de março de 2009

Selecção de Portugal ou selecção luso-brasileira

O Liedson é um avançado brasileiro, não é?
Eu, em primeiro lugar, entendo que o Liedson é um grande avançado, um dos três melhores a jogar em Portugal, mas continuo a identificá-lo com a nacionalidade brasileira.
Para mim, Selecção Nacional é sentir a familiaridade Portugal, ser português.
E prefiro ser quinto com este sentimento, do que primeiro.
Carlos Carvalhal, treinador do Marítimo, entrevista a Record e Antena 1, 2009-03-01

Concordo plenamente com o Carlos Carvalhal!
Já são 2, mais o Liedson, depois vem o Paulo Assunção, e já está quase meia equipa.
Isto é, o querer ganhar a qualquer preço.

4 comentários:

Cesar Salgueiro disse...

A nacionalidade é uma questão às vezes complicada, mas eu aceito mais facilmente, que alguém use a dupla, que se diga apátrida. E nós somos um povo com um pouco de sentimento apátrida, embora digamos que somos de nacionalidade portuguesa, por uma questão de direito por aqui ter nascido, o facto é que somos pobres no sentimento patriótico, essa é uma questão das muitas que como povo nunca pensamos, temos o mesmo hino e depois dividimos tudo por regiões. Pequeninos e ainda nos dividimos, mas temos os maiores prémios mundiais individuais na medicina, literatura, futebol e outros , deve ser por causa do vinho verde ,ou talvez do alentejano, que gosto mais ,ou do queijo de Serpa , que é a minha terra. Quanto ao Liedson , tenho uma opinião contraria ao amigo João e ao Carvalhal ,se aqueles que querem prestar um serviço Nacional tenham condições legais e constitucionais para o fazerem ,se outros com os mesmos direitos e condições ,lhes não sejam superiores ,independente de aonde se nasceu. No outro tempo tínhamos uma selecção aonde mais de metade ,tinham nacionalidade portuguesa ,mas tinham nascido noutros países , só que o estado português não os reconhecia .

Tasse disse...

Ser-se português é gostar de ovos moles e de uma francesinha com velhoses...e apostar em jovens promessas da cantera como o Sidnei, o David Luiz, o Tello e outros craques. O que tu queres é o Euromilhoes òh Carvalhal, tu e TODOS os outros

Pseudo-patriotismo disse...

Se estivéssemos em guerra, e quiséssemos defender a pátria, os brasileiros até eram encorajados a alistar-se, de preferência para a linha da frente, para carne para canhão.
Como se trata de futebol, e jogando melhor que certos pseudo-patriotas que enoja ver em campo, eles já não são dignos.

Se se sente identificado com o país, e quer jogar, é deixá-lo jogar. Xenofobia da treta, disfarçada com discursos nobres.
Paízinho que temos...

João Silva disse...

Eu já fui carne para canhão e não vi ninguém de outra nacionalidade ao meu lado a lutar.

Ninguém aqui disse que os brasileiros não são dignos. O que acho correcto é que eles joguem na selecção do país deles, e assim teríamos mais espaço para os jovens portugueses que estão a ser formados.

É isto que defendo!

Ah… e quanto aos tais “pseudo-patriotas” mesmo a jogarem tão mal, nunca me chegam a enojar, porque ninguém me obriga a vê-los, é só mudar de canal.